Quote from the article “Der VII. Weltkongress der Komintern und seine Folgen” in english about the unified working class party

By Thanasis Spanidis

The Goal of a United Workers’ Party

The points mentioned so far appear to be relatively minor. However, Dimitrov’s speech becomes extremely problematic at the least with the proposal of a united workers’ party.

The united front, according to Dimitrov, “also raises the question of political unity, of the unified mass political party of the working class.” But he does not leave it at the mere “question”: “The interests of the class struggle of the proletariat and the success of the proletarian revolution imperatively make it necessary (!) for there to be a united party of the proletariat in every country.” It is therefore the task of the Comintern to make “the cause of uniting the forces of the working class into a unified revolutionary proletarian party at the moment when the international workers’ movement enters the period of overcoming the division”.

Note that the result of union is not to be some “leftist” pluralist party, but a revolutionary proletarian one. For the organizational-political association with social democracy Dimitrov therefore also calls for some conditions that are briefly mentioned here:

1. The “complete independence of the bourgeoisie” and the abandonment of the block of social democracy with the bourgeoisie.
2. The previous production of the unit of action.
3. The objective of the revolutionary overthrow of the bourgeoisie and the dictatorship of the proletariat.
4. No support of the bourgeoisie in the imperialist war.
5. The construction of the common party on the basis of democratic centralism.

On the one hand, the Comintern de facto demanded that the subordination of the socialdemocratic parties to the ideology, politics and organizational principles of the communist parties be a condition for the formation of a united proletarian party. On the other hand, however, this is also limited when Dimitrov says nothing more about the ideological basis of such a united party and also nothing about whether or not it should be a cadre organization according to the Bolshevik or Leninist model. Ultimately, it is not entirely clear whether the proposal should amount to integrating the Social Democratic organizations into the communist party or to dissolve the communist parties in a social-democratic-communist hybrid party without a clear Marxist-Leninist basis, which would ultimately have amounted to a disarmament of the working class. That the latter, that is, an openly opportunistic, liquidation goal, is not categorically and explicitly excluded by Dimitrov is a big problem.

Dimitrov also cites an example in which all alarm bells should sound: In the US, the creation of “a mass party of the working people, a workers and farmers party” as a bulwark against fascism is a possible next task. This party was neither communist nor socialist, but anti-fascist, directed against the monopolies and not anti-communist. Thus the already gained real knowledge of the communists was thrown over board again. Thälmann wrote in 1932: “The character of a workers ‘party results not only from its social composition, but also from the number of workers included in it (…) The character of a workers’ party is determined by its program, its politics, by its class thinking and consistently revolutionary action. (…) As a result of all these facts, we clearly state that there is only one working-class party, the Communist Party . “(Thälmann 1932).

Suddenly, we returned to an idea that non-socialist parties, if they organized the workers and pursued a broad progressive program, could be workers’ parties. Such a party is considered by Dimitrov only in terms of anti-fascist defensive action. Beyond that, by the absence of a communist program and organizational practice, it would most likely have become an integration mechanism of the US capitalist-imperialist political system, although that issue is not being problematized and apparently not even foreseen.

Dimitrov also calls for a “union” of all “non-fascist” (!) youth associations, precisely through to building common anti-fascist organizations. Whether this “unification” can also mean an organizational union of the youth associations, ie a dissolution of the communist federations, he does not say or leaves it open. The practice of the next years, however, showed that this could well mean it: The founding of the FDJ by German exiles in Paris and Prague (1936-38), which replaced the KJVD as a broad-based “antifascist democratic” youth organization, was the result these considerations. Problems in the development of communist youth (especially their too close orientation to the practice of the party) were thus taken as an opportunity, fundamentally to question the Leninist conception of a communist youth organization. The main problem is not that it would be impossible to use communist cadres without a communist youth organization. Because for this purpose, a communist youth association is indeed useful and usually to strive for, but not necessarily essential. Rather, the main problem is that the idea of an “anti-fascist-democratic” association is based on a completely unclear ideological foundation. What does eg “democratic” mean? Does that mean bourgeois or proletarian democracy? Can not a bourgeois “democrat” be a fervent anti-communist at the same time? can not he even objectively work for fascism? The necessity of tactical cooperation with bourgeois non-fascist forces thus created the idea of a broad common ground between communists and other “non-fascists”.

But back to the question of the unified workers’ party: Suppose, for example, that the CI had meant something different from what was supposed here. So it was just an attempt to integrate social democracy into the communist parties. That too would be problematic enough.

Dimitrov sees these conditions as basic conditions – one can understand this as an assurance that a union on a Social Democratic basis has been rejected. Perhaps the CI was aiming also more for a agitational slogan, hoping to win over the Social Democratic workers to Communist politics. Nevertheless, the thought remains problematic. It creates the illusory idea that there is no diametrical opposition between social-democratic and communist politics. By not calling for the mobilization of the Social Democratic masses for Communist positions through their replacement of the Social Democratic leadership (the previous practice), but now instead, calling for a sudden unification with the Social Democratic organizations, it should have been clear that they too will want to contribute their part, ie their views, practices and experiences. The intrinsically correct distinction between the social-democratic masses on the one hand and their leadership on the other hand is absolutized – as if the masses did not follow their leadership because they at least partially accepted revisionism and opportunism, possibly even offensively advocating it.

The demand that social democracy should give up the block with the bourgeoisie is ultimately identical with the demand to give itself over as social democracy, after all the “block with the bourgeoisie” is inseparably part of the essence of social-democratism. Nevertheless, to put forward this impossible demand, to pretend that something like that was suddenly possible, had to feed illusions about the character of Social Democracy.

The next problem: on the one hand it demands a “united mass political party of the working class”, but on the other it demands hand the need for a “fighting party, a revolutionary party”. This is in direct contradiction to each other, because the existence of opportunism in the labor movement is a necessary phenomenon in imperialist capitalism and capitalism in general, as long as a workers’ movement exists at all. A united party of the whole working class, which is at the same time a revolutionary fighting party, can only seem to mean that there can be no reformist party alongside the Communist one. This ignores the fact that reformism occurs with objective necessity, because revolutionary consciousness does not arise spontaneously and because the ruling class has an interest in its existence. After all, history has even shown that even in the exceptional historical situations, where there was not a strong social democratic party alongside the Communist Party (eg France and above all Italy after the Second World War), this situation was usually accompanied by the fact that Social Democratism found its way into the Communist Party itself and eventually gained control of it. This would certainly have been prevented by a consistent communist policy, but that would probably have opened up the political space for the emergence of a social-democratic party.

And finally: The speech is clearly about a mass party. But a Marxist-Leninist party is not a mass party per se; it is a cadre organization. It only accepts new members after careful review and after a lengthy pre-accession process. It is based on a high degree of sincerity and dedication of all its members to the common cause. At best, it is a big party with many members. However, it is never of the organizational character of a mass party. Perhaps it is just a conceptual ambiguity, but the fact that Dimitrov is calling for the party to be opened up to the Social Democratic working masses suggests that this meant a relativization of the cadre party’s concept. In 1937, Pieck also declared: “The KPD does not pursue the goal of further splitting social-democracy, but strives for the creation of a united, powerful mass revolutionary party of the proletariat” (Pieck 1937).

At best, one might argue that Dimitrov had used the term “mass party” thoughtlessly and referred only to broadening the base of the party through unification with social democracy, but not to changing its character. But, as argued, this does not really solve the problem. Either way, his remarks imply a softening of the Leninist character of the revolutionary organization of the proletariat.

Let’s summarize: In one form or another, the CI sought to unite the communist parties with the social-democratic ones. In this context, it is even mentioned that the “international workers’ movement now enters the period of overcoming the division”. The essential achievement of the working-class movement after the First World War, the emancipation of the communist parties from the opportunist social-democratic parties, suddenly becomes a problem here, which must be overcome. The thinking of the CI leadership now focused on the need for the broadest possible organization, which at least partially softened and replaced the previous Leninist notion of a disciplined revolutionary cadre party. This may also give a first answer to the question why the self-criticism of the KPD on the question of organization and conspiracy was forgotten or at least had no decisive effect on the practice. A broad mass party of the working class is in direct contradiction to the need for revolutionary conspiracy, because conspiracy places high demands on every member of the party and presupposes a cautious policy of membership in each individual case.

However, this contradiction was not sufficiently reflected on, at least not in the central documents of the CI. Under the pressure of events – the further advance of fascism and the growing threat to the Soviet Union – it was decided that one goal was unsaid at the expense of the other.

The slogan of the unified workers’ party is ultimately in direct contradiction to Dimitrov’s calls to continue the fight against social-democratism even under the conditions of anti-fascist struggle. When this thought came to an end, this slogan meant nothing more than the proclamation that political and organizational unity was possible with opportunism. Therefore, this slogan is an essential reason why the 7th WC must indeed be judged as a shift to the right in the communist world movement.

Source/Fonte: KO

Advertisements

A frente única e o Partido Único do Proletariado (excerto do artigo “La estrategia del Partido Comunista en la Guerra Civil 1936-1939.” do PCTE)

Nota: Este excerto é parte do artigo do PCTE “La estrategia del Partido Comunista en la Guerra Civil 1936-1939.” publicado em Fevereiro de 2019 quando o PCTE usava a sua sigla histórica, PCPE.

A frente única e o Partido Único do Proletariado.

A política da frente única proletária, como base da frente popular antifascista, aplicou-se na prática em dois planos diferenciados: o político e o sindical. No caso espanhol esta política concretizou-se nas seguintes linhas de actuação:
– No plano sindical a CGTU ingressou na UGT. A partir desse momento o PCE trabalhou pela unidade com a CNT propondo a criação de uma única central sindical en Espanha.
– No plano político trabalhou-se para criar o Partido Único do Proletariado, entendido como a fusão entre o PCE e o PSOE, chegando a constituir-se um Comité Nacional de Enlace e a haver um acordo para um programa comum. A política de criar o Partido Único do Proletariado conduziu, pouco antes do início da guerra, à fusão da UJCE e da FJSE, criando-se a Juventude Socialista Unificada. Na Catalunha, durante os primeiros dias da guerra, por aplicação desta política, constituiu-se o PSUC.

O PCE analisava que no Partido Socialista existiam três correntes principais: a direita, representada por Julián Besteiro; o centro, representado por Indalecio Prieto; e a esquerda, representada por Largo Caballero. À excepção do sector encabeçado por Besteiro -caracterizado por um anti-comunismo patológico-, o PCE tratou de aplicar a política do partido único e de alcançar a unidade na acção com os outros dois sectores.

O PSOE vivia uma intensa luta fraccional na qual os três sectores descritos disputavam tanto a direcção do partido como a direcção da União Geral de Trabalhadores e apesar disso tiveram nas suas mãos os principais cargos de poder durante todos os Governos da Frente Popular durante a guerra: Presidência do Conselho de Ministros, Ministério da Defesa e Ministério do Interior . [53]

A política da frente única, que o PCE aplicou em um primeiro momento pela base, em coerência com os acordos do VI Congresso da I.C., foi progressivamente aplicando-se por cima. Se bem que é certo que o PCE deu reiteradas instruções às suas organizações para intensificar a unidade com os socialistas de base, a aproximação da base do PSOE ao PCE foi restringida em várias ocasiões para não incomodar as distintas fracções que compunham a Comissão Executiva do PSOE.

Como se demonstrou na prática, na direcção socialista nunca existiu a mais pequena vontade de formar o Partido Único do Proletariado. Se bem que, por razões tácticas, buscando não aparecer ante a classe operária como os responsáveis da divisão política do proletariado, perante os constantes chamamentos públicos para a unidade realizados pelo PCE, o PSOE nunca descartou publicamente essa possibilidade. No dia 26 de dezembro de 1936 os socialistas propuseram a criação de um “comité de unidade de acção” para coordenar a actividade de ambos os partidos. Com esse propósito, publicou uma circular dirigida às suas organizações, datada de 24 de abril de 1937, chamando a criar esse tipo de comités a nível provincial e local. Na realidade, aparte de coordenar algumas acções e de realizar várias declarações genéricas, não houve um processo real de unidade. A direcção socialista tratava de abrandar a unidade pela base, que só podia beneficiar o Partido Comunista, alargando as negociações entre as direcções de ambos os partidos.

No Plenário alargado do Comité Central do PCE, reunido em Valencia de 18 a 20 de Junho de 1937, ante a ausência por doença de José Díaz, Dolores Ibárruri expôs o relatório político no qual se estabelece os fundamentos teóricos do Partido Único do Proletariado, a sua estrutura e as formas de organização e funcionamento propostas pelo PCE. Nesta ocasião, além dos socialistas, a proposta incluía a sectores anarquistas. No relatório declara-se:

“Queremos chegar ao Partido Único do Proletariado. E o nosso Partido, que vive de realidades, não pode ignorar a potencialidade e la capacidade revolucionaria que existem latentes nos grupos de trabalhadores inscritos em outras organizações, e fundamentalmente no Partido Socialista, sem esquecer tampouco as correntes anarquistas que cada dia aceitam mais a acção política do proletariado, e que poderão ser atraídas para a órbita de acção do Partido Único do Proletariado, formando parte integrante de ele”.

“Esse Partido Único poderá continuar assim as melhores tradições do Partido Socialista Operário Espanhol, a corrente revolucionária do anarquismo e a tradição do Partido Comunista, forjado na teoria e na práctica do marxismo, do leninismo…”. [54]

Em Julho de 1937, o Comité Nacional do PSOE aceita a proposta enviada pelo Bureau Político (Comissão Política) do Partido Comunista e a criação de um novo Comité Nacional de Enlace. No dia 19 de agosto publica-se um documento intitulado Programa de Acção Conjunta dos Partidos Comunista e Socialista. No mencionado programa está presente a seguinte declaração : [55]

“… os partidos Socialista e Comunista lutarão pela acção conjunta da II e da III Internacionais e da Federação Sindical Internacional, pela unidade de acção internacional mais estreita e enérgica para derrotar as manobras criminosas do fascismo e para lograr a unificação das Internacionais, que será a mais sólida garantia para a paz mundial e para as conquistas revolucionárias dos trabalhadores”. [56]

As palavras eram uma coisa, mas a realidade era outra, tanto na prática do PSOE como da II Internacional.

Como assinalou acertadamente Stoyán Nínev (também conhecido como Stepánov e Moreno), Delegado em Espanha da I.C. desde Janeiro de 1937 até Fevereiro de 1939, no seu relatório para o Comité Executivo da Internacional Comunista sobre as causas da derrota da República Espanhola, datado em Moscovo em Abril de 1939:

“O Comité Nacional de Enlace entre os partidos socialista e comunista, constituído em Abril de 1937, converteu-se, por culpa do Partido Socialista num comité de ouvir queixas e reclamações e num comité de conflictos.” [57]

O certo é que o PSOE, debilitado pelo fraccionamento interno e pela incoerência da contraditória política praticada por cada um dos seus sectores, tinha fechado as suas portas no momento em que estalou a guerra e, enquanto declinavam as suas fileiras, crescia exponencialmente o PCE. Se bem que devemos tomar estes números com a devida cautela, o longo de 1936 a afiliação do PSOE oscilou entre os 60.000 e os 75.000 militantes, enquanto que o PCE, que em Julho de 1936 contava já com 88.523 militantes, alcança os 250.000 em Março de 1937 [58] e 339.682 em Novembro de esse mesmo ano, sem contar com o PSUC e com os jovens comunistas integrados na JSU.

Os socialistas, de uma ou de outra corrente, estudaram junto à II Internacional a forma de travar o crescimento do Partido Comunista, o qual sempre viram e trataram como uma ameaça. Por sua vez, a actividade da direcção do PSOE, orientou-se durante toda a guerra por açambarcar os postos de comando no Estado e no Exército Popular.

Quanto à prática dos dirigentes máximos socialistas no Governo, sem querermos ser exaustivos, podemos destacar os seguintes factos significativos:

– Largo Caballero (esquerda socialista), Presidente do Conselho de Ministros de 4 de Setembro de 1936 a 16 de maio de 1937. No plano político estabelece uma aliança com os anarco-sindicalistas. Devido à pressão do Partido Comunista, durante o seu mandato se enquadram as milícias nas unidades regulares e se cria o Comissariado Político Geral. Resiste-se a aplicar a política militar de mobilização geral e de serviço militar obrigatório, impedindo com isso a criação das necessárias reservas, pondo em sério risco as frentes do Jarama e de Guadalajara e, com isso, a defesa de Madrid. Dada a sua coligação com os anarco-sindicalistas, lançados à realização de todo o tipo de experiências de colectivização, que abordaremos mais adiante, impede a criação de una industria de guerra à altura das necessidades. Durante o seu governo não se cria o comando único que se mostrava imprescindível para ganhar a guerra, coabitando com poderes autónomos na Catalunha, Euskadi, Santander, Astúrias e Aragão. Manteve uma aberta hostilidade em relação aos chefes militares procedentes do povo e forjados pelas milícias, depositando plena confiança nos chefes militares profissionais [59] , sem compreender as leis e as exigências da guerra popular. Perseguiu os comissários e comandos militares comunistas, tratando de limitar a influencia do PCE. No plano operacional, a sua política militar conduziu à perda do Norte, cujo Exército não recebeu os apoios necessários. No plano internacional, depositou a sua confiança nos líderes capitulacionistas da II Internacional e foi influenciado pela diplomacia imperialista britânica e francesa, baseada na política criminosa da “Não Intervenção”. Manteve uma posição de cumplicidade com o trotskismo e com o POUM dirigida a debilitar os comunistas. A sua política económica e industrial, baseada num forte esquerdismo, foi cúmplice das posições trotskistas e anarco-sindicalistas, pelas quais foi influenciado. Não se tomaram as devidas medidas contra os dirigentes do putsch anarco-sindicalista e trotskista de maio de 1937. Não se lutou devidamente contra a Quinta Coluna, permitindo a acção do inimigo na retaguarda republicana. Não se adoptaram medidas na retaguarda fascista. Já fora do Governo, os caballeristas, que conservavam importantes posições na UGT e na Agrupação Socialista madrilena, incrementaram a sua hostilidade anti-comunista e foram um factor decisivo para o triunfo do golpe de estado que entregou a República ao fascismo.

– Indalecio Prieto, dirigente do denominado centro socialista. Entre Setembro e maio de 1937 foi Ministro de Marinha e Vias Aéreas e entre maio e Abril de 1938 Ministro de Defesa. Teve uma influencia determinante durante o primeiro período do Governo de Negrín. É o principal partidário do “exército apolítico” e baseia toda a sua política militar no cepticismo relativamente às possibilidades de vitória. Ataca o Comissariado Político no Exercito Popular e, tal como Largo Caballero, continua sem entender a necessidade militar de ampliar as reservas e da mobilização geral, apesar de adoptar algumas medidas positivas na constituição do Exército Popular e de realizar alguns apelos às fileiras, que se mostram claramente insuficientes. Tende progressivamente a retirar ao Partido Comunista toda as posições de responsabilidade, destituindo grande parte dos comissários e chefes militares comunistas. Frente às propostas do PCE, adopta uma política de chantagem ao Governo, ameaçando constantemente com a sua demissão e com forçar uma nova crise de governo. Trata de impor a denominada “política do silencio”, dirigida a evitar toda a agitação política nas fileiras do Exército Popular. Adopta una posição de hostilidade aberta face ao Partido Comunista e face à União Soviética. Situa-se na órbita do imperialismo britânico e torna-se partidário de uma “paz negociada”, ou seja, da capitulação [60] . Após ser destituído, exilia-se no México e é um dos principais instigadores da capitulação. Não condena o golpe de Casado contra a República.

– Julián Besteiro, dirigente da ala direita do PSOE. Desde o inicio se mostra contrário à Frente Popular e sustém posições abertamente anti-comunistas [61] . Durante a maior parte da guerra não joga nenhum papel activo, pelo qual Dolores Ibárruri, muito acertadamente, lhe chama durante a guerra de “la momia noble”. Reaparece na fase final da guerra para apoiar a coligação anti-governamental, conspirando abertamente contra o Governo [62] em plena ofensiva fascista, tomando contacto com o comando franquista influenciado pelos corpos diplomáticos do imperialismo britânico e francês. Depois do golpe contra a República, a “momia noble” formará parte da Junta de Casado junto a militares golpistas, anarco-sindicalistas, um membro da Agrupação Socialista Madrilena [63] e republicanos.

Estes eram os dirigentes socialistas com os quais o PCE tratava de criar o Partido Único do Proletariado. À luz dos factos, tratava-se de um objectivo inalcançável. E, na hipóteses de ser logrado, teria significado a completa mutação do Partido Comunista de Espanha em uma força muito distinta à que se caracterizava nas 21 condições aprovadas no II Congresso da Internacional Comunista por proposta de Lenin.

Mas, o objectivo do partido único, se bem que se demonstrou como irrealizável, jogou um papel importante. Durante toda a guerra, o PCE limitou a sua actividade e iniciativa para não prejudicar as relações com o Partido Socialista, o que supôs que a correcta política militar defendida pelos comunistas não se aplicasse ou se aplicasse parcialmente e demasiado tarde. Aém do mais, e ainda que a propaganda socialista, anarquista e trotskista insistisse no contrário, o Partido Comunista se impôs a si mesmo sérias auto-limitaçóes no seu trabalho de propaganda política dirigido às massas sob influência socialista, que durante grande parte da guerra sentiam una forte atracção pelo campo comunista. Con isso, se tratava de não prejudicar o processo de unidade “por cima” como PSOE.

Finalmente, é necessário analisar, ainda que seja com brevidade, as duas concretizações práticas da palavra de ordem por um Partido Único do Proletariado: o PSUC e a JSU. A formação do PSUC partiu de uma posição de debilidade dos comunistas, que constituíam uma clara minoria relativamente ao resto das forças que conformaram o novo Partido Socialista Unificado. Na historiografia comunista, desde o nosso ponto de vista, exagerou-se (embelezou-se, “magnifico”) o papel que jogou a formação do PSUC, ocultando os graves problemas e evitando a necessária crítica ao papel que desempenhou a sua direcção em alguns momentos decisivos da guerra. A este respeito, destacam-se as opiniões levadas ao Comité Executivo de la I.C. por Stoyán Nínev (alias Stepánov y alias Moreno) e por Togliatti (alias Alfredo y alias Ercoli), ambos delegados da I.C. em Espanha. No relatório de Stepánov é dito:

“Inglaterra e França, na opinião dos republicanos de esquerda, nunca estarão de acordo em reconhecer a Frente Popular e por isso, é necessário lograr a formação de outro governo. Por sua parte, os partidos catalães, incluindo também a direcção do Partido Socialista Unificado, redobram a sua luta opositora contra Negrín, considerando-o o inmigo número um, desde o ponto de vista dos interesses nacionais da Catalunha.” [64]

“É preciso recordar uma circunstância importante: uma parte importante da responsabilidade da crise de Agosto [65] é da responsabilidade do Partido Socialista Unificado de Catalunha e pessoalmente de Comorera [66] . A direcção do Partido Socialista Unificado de Catalunha e Comorera se encontram na qualidade de inspiradores secretos e impulsionadores do bloco anti-governamental dos catalães. Entre a direcção do Partido Comunista tinha-se a impressão de que existia un acordo e entendimento directos entre Comorera, Companys e o Secretário da Esquerda Republicana de Catalunha, Tarradellas, para lutar contra Negrín” [67]

“Agudização das vacilações no seio da direcção do Partido Socialista Unificado de Catalunha” [68]

“Neste sentido também teve não pouca culpabilidade o Partido Socialista Unificado de Catalunha, a sua direcção e pessoalmente o camarada Comorera. A crítica das deficiências e erros da política de Negrín sobre a questão nacional foi realizada pela direcção do PSUC desde as posições do nacional-separatismo catalão pequeno-burguês e desde a posição do bloco nacionalista dos catalães. Houve um período em que por parte da direcção do PSUC se expôs uma fórmula de luta em duas frentes contra dois perigos: contra o perigo do centralismo de Negrín e contra o perigo do fascismo de Franco”. [69]

Palmiro Togliatti, no seu informe ao Comité Executivo da I.C., datado de 21 de maio de 1939, inclui uma epígrafe intitulada “Nuestras dificultades en Cataluña y con el PSUC” [70]. Entre outros
aspectos de interesse, destacam se as seguintes apreciações:

“É evidente que o PSUC, dada a sua origem, não podia ser um partido homogéneo, nem na sua condição nem na sua direcção, mas o mais grave é que na direcção faltava-nos um ponto de apoio seguro, um grupo de camaradas que trabalhassem e lutassem numa linha acertada para corrigir as debilidades do Partido” [71]

“O erro fundamental do PSUC relativamente à questão nacional foi o de não ter entendido que precisamente a ele como partido catalão lhe correspondia a tarefa de lutar contra o obtuso nacionalismo dos catalanistas pequeno-burgueses, contra o derrotismo e a traição que se incubavam no seio desses partidos e contra as suas intrigas. Nessa tarefa o PCE não podia substituir-se ao PSUC sem ferir a susceptibilidade catalã. Se o PSUC tivera tomado esse caminho a sua popularidade teria aumentado enormemente, porque as massas catalãs estavam contra de os capitulacionistas e os intriguistas” [72]

“Todas as debilidades do PSUC, e em primeiro lugar da sua direcção, manifestaram-se em pleno. O primeiro discurso de Comorera, pronunciado nos primeiros dias de Janeiro, que teria que orientar todo o partido e a todo o povo, esteve politicamente equivocado. O foco estava posto não na necessidade de mobilizar até ao último homem para fazer frente ao inimigo, mas sim contra o governo de Negrín, ao estilo um pouco, mais ou menos, como os partidos catalanistas, o que contribuía a desmoralizar e a desmotivar a todos.” [73]

A constituição do PSUC quebrou em certa medida a direcção única dos comunistas durante a guerra e introduziu sérios desvios na linha política. Como reconhecem os delegados da I.C. em Espanha, o PSUC nunca chegou a bolchevizar-se e sofreu de posições nacionalistas de corte pequeno-burguês, convivendo no seu seio distintas tendências [74].

Quanto à formação da Juventude Socialista Unificada, cabe assinalar que, como já se expôs em outra parte do presente trabalho, a sua adesão à Internacional Juvenil Socialista, apesar de manter excelentes relações com a Internacional Juvenil Comunista. A maior parte dos seus quadros dirigentes, incluído o seu Secretário Geral, Santiago Carrillo, procedentes da Juventude Socialista, afiliaram-se ao PCE nos duros momentos da defesa de Madrid. O processo de criação da JSU desagradou à direcção do PSOE, que durante a guerra criou uma Secretaria Juvenil na sua direcção com a intenção de organizar o trabalho no seio da JSU, e, na última fase da guerra, sob a direcção do sector caballerista, tratou de fraccionar a JSU e de reconstruir a Juventude Socialista.

Apesar do heróico papel desempenhado pela JSU durante a guerra, a Juventude Unificada descompôs-se completamente após a derrota, o que conduziu à posterior reorganização da UJCE na clandestinidade. Os dirigentes da JSU, com Santiago Carrillo à cabeça, constituiriam uma nova geração dirigente que, na sua maior parte, acabaria por tomar o poder no seio do PCE e iria impor, de seguida, as posições anti-soviéticas e euro-comunistas que levariam a uma mutação de carácter social-democrata.

Nota:

[53] El 19 de julio de 1936 se constituye el Gobierno de José Giral, un gobierno republicano sin la participación de las organizaciones obreras. El 4 de septiembre de 1936 se constituye el primero Gobierno del Frente Popular, presidido por el socialista Largo Caballero, líder de la izquierda socialista. En ese Gobierno participan, por primera vez en la historia, dos ministros comunistas: Vicente Uribe (Ministro de Agricultura) y Jesús Hernández (Ministro de Instrucción Pública). Este Gobierno se ampliará el 4 de noviembre de 1936, con la participación de PSOE, PCE, CNT, FAI, UGT, Izquierda Republicana, Unión Republicana, Esquerra Republicana de Catalunya y el Partido Nacionalista Vasco. Dos tercios de los ministros representan a las fuerzas obreras.
[54] Extractos del Informe presentado por Dolores Ibárruri al Pleno del CC. Guerra y Revolución en España. Tomo III, páginas 207 y 208.
[55] En esas mismas fechas se producía un intercambio epistolar entre el c. Dimitrov y De Brouckère sobre las posibilidades de colaboración en solidaridad con la República Española y, el 21 de junio de 1937, se celebra la reunión entre una delegación de ambas internacionales que se conocerá como la Conferencia de Annemasse.
[56] Guerra y Revolución en España. Tomo III, páginas 216.
[57] Las causas de la derrota de la República Española, Miraguano S.A. Ediciones, Madrid 2003, página 154. Sobre el Informe del c. Stepánov, dado su interés, se volverá en adelante.
[58] Los datos de afiliación se recogen en la ya citada Tesis Doctoral “El PCE en la Guerra Civil”, páginas 348 y siguientes. La c. Dolores Ibárruri, en El único camino (Editorial Castalia, 1992), dirá sobre el crecimiento del PCE: “De 30.000 afiliados que el Partido Comunista tenía en enero de 1936 –a cuyo número el Partido Socialista había llegado sólo después de 40 años de actividad- pasa a cien mil en julio del mismo año”.

[59] Se bem que houve militares profissionais leais, que se mantiveram fieis à República até ao último momento, não é menos certo que muitos de eles combateram nas fileiras republicanas pela única razão de se encontrarem destinados a lugares que ficaram em mãos da República nos primeiros momentos. Muitos de esses militares praticaram uma ostensiva sabotagem, actuaram como espiões do lado franquista e semearam uma constante desmoralização nas tropas. Muitos traíram no momento em que puderam e passaram para o lado fascista, outros se sublevaram contra a República em diferentes momentos de la guerra.
[60] A este respeito são de interesse estas palavras de Vidarte, membro da Comissão Executiva del PSOE: “Desde há tempos que nós conheciamos as últimas ilusões de Prieto sobre a possibilidade de uma paz negociada com a intervenção da Inglaterra, assim como o oferecimento de bases que Prieto, sem contar com Negrín, tinha feito aos ingleses.” Citado em Guerra y Revolución en España. Tomo IV, página 73.
[61] Na reunião do Comité Executivo de 15 de Novembro de 1938, Besteiro expunha a sua posição relativamente ao PCE: “Eu não sou partidário da tendência unitária com o Partido Comunista” “A guerra esteve inspirada, dirigida e fomentada pelos comunistas. Se eles deixam de intervir, provavelmente as possibilidades de continuar a guerra serão pequenas. O adversário, tendo outras ajudas internacionais, se encontrará numa situação superior (..) Eu vejo a situação de este modo: se a guerra se ganhara, Espanha seria comunista. Todo o resto da democracia seria adverso e contaríamos com a Rússia e nada mais”. Ibidem, página 166. Arquivo do PCE.
[62] Casado, numa entrevista publicada em Pueblo, no dia 8 de Novembro de 1967, dirá a respeito de Besteiro: “Como me inspirava uma absoluta confiança, não tive inconveniente em revelar-lhe, após uma minuciosa exposição do panorama bélico, que os chefes militares estávamos dispostos a eliminar o Governo de Negrín, a formar um Conselho Nacional de Defesa e a negociar a paz com os nacionalistas – se refere aos franquistas -, rogando-lhe que acedera a participar no mesmo, já que o seu grande prestigio entre a população seria de grande utilidade para o plano”. A resposta de Besteiro, segundo Casado, foi a seguinte: “Com muito gosto entrarei para formar parte de esse organismo, mas com a condição de não assumir a presidência, que forçosamente terá que assumir um militar. De modo que estamos de acordo e saiba você que me tem às suas ordens”. Citado em Guerra y Revolución en España. Tomo IV, páginas 235 y 236.
[63] Wenceslao Carrillo. A Agrupação Socialista Madrilena, dirigida pelos caballeristas, apoiou o golpe de Casado. A Comissão Executiva do PSOE adoptou uma posição de cúmplice neutralidade.
[64] Las causas de la derrota de la República Española, Miraguano S.A. Ediciones, Madrid 2003, página 123.
[65] Refere-se à crise que sofreu o Governo republicano no dia 16 de agosto de 1937, provocada pelas demissões do Partido Nacionalista Vasco e Esquerra Republicana de Catalunya, cujos ministros se demitem para pressionar o Governo de Negrín em pleno desenvolvimento da Batalha do Ebro.
[66] Joan Comorera, Secretário Geral do PSUC. Em 1949 foi expulso sob a acusação de “titista” e foi reabilitado após o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética.
[67] Ibidem, página 128.
[68] Ibidem, página 145. Stepánov analiza la situación en el periodo del 23 de diciembre de 1938 al 11 de febrero de 1939, en el que se produce la ofensiva fascista sobre Cataluña.
[69] Ibidem, página 145. Stepánov analiza la política errónea sobre la cuestión nacional y las consecuencias de las posiciones separatistas en Euskadi y Cataluña.

70 Escritos sobre la guerra de España. Editorial Crítica, Badalona, 1980. Páginas 224 a 305.
71 Ibídem, página 247.
72 Ibídem, página 248.
73 Ibídem, página 259. Togliatti analiza aquí la actitud del PSUC ante la falta de organización de la defensa
de Barcelona. La ofensiva fascista contra Cataluña comenzó el 23 de diciembre de 1938. Barcelona cae en
manos del enemigo el 26 de enero sin resistencia alguna. Togliatti, en su informe a la Internacional de 21
de mayo de 1939, describe la situación del modo siguiente: “El Ayuntamiento de Barcelona se negó a
reunirse hasta la víspera de la entrada de las tropas italianas. Cuando se reunió, el 25 de enero, estaban
presentes únicamente los miembros del PSUC (8) y otros 4 concejales catalanistas. Todos los demás
habían soltado ya amarras. Los sindicatos anarquistas hicieron llamamientos en la prensa, pero no
llevaron a cabo un trabajo eficaz. Su dirección fue de las primeras en desaparecer. En el sector
catalanista nada más que desmoralización, pánico e intrigas”. Obra citada, páginas 258 y 259.
74 Togliatti incluso refiere la distribución de una revista teórica trotskista, por parte de un tal Tous, con la
aprobación de Comorera, que hubo que poner fuera de circulación. Obra citada, página 260.

Fonte: Iniciativa de Partidos Comunista e Operários da Europa
http://www.partido-comunista.

Eleições parlamentares na Grécia no dia 7 de Julho: Um KKE forte – o teu poder no dia a seguir às eleições

Depois da sua derrota eleitoral nas recentes eleições europeias o governo do SYRIZA anunciou eleições parlamentares antecipadas para 7 de Julho.

O KKE apela ao povo para decidir em quem vai votar nestas eleições baseado no que o povo realmente precisa para o dia seguinte às eleições. O KKE é o partido que luta não apenas para ganharmos de volta tudo aquilo que perdemos nos anos de crise capitalista mas também para toda a gente ter um emprego que lhes possa oferecer uma vida em que as suas necessidades são satisfeitas, uma vida com direitos contemporâneos, do mundo de hoje. O KKE luta pela organização da sociedade e da economia onde o trabalhador não seja vítima da exploração mas sim onde o trabalhador tenha um papel dominante e decisivo na organização da produção e na distribuição da riqueza de forma a melhorar a qualidade de vida para toda a gente.

Existe um outro caminho certeiro para a classe operária e para o nosso povo! A sociedade pode viver sem capitalistas, a sociedade pode pôr em movimento a produção e os serviços com outras relações sociais, isto é o socialismo.

(…)

Fonte: Solidnet

José Saramago e as FARC

Direção Plínio Arruda Sampaio
Fonte: Correio da Cidadania – Internacional

José Saramago e as FARC

Jorge Figueiredo, José Paulo Gascão, Miguel Urbano Rodrigues e Rui Namorado Rosa

José Saramago, em entrevista a Yamid Amat, publicada no dia 28 de novembro [de 2004] pelo diário El Tiempo de Bogotá, o influente diário da oligarquia colombiana (400 mil exemplares), emitiu opiniões sobre as organizações guerrilheiras daquele país que pelo seu conteúdo suscitaram compreensível surpresa.

Segundo Saramago, na Colômbia “não há guerrilha, mas sim bandos armados”. Tendo o entrevistador observado que ele “é comunista e a guerrilha se identificou com o comunismo”, respondeu: “Não posso imaginar um país com um governo comunista que se dedicasse ao seqüestro, ao assassínio e à violação de direitos humanos. Eles não são comunistas. Talvez no início tenham sido, agora não”.

Saramago é um grande escritor que pela sua obra conquistou enorme e merecido prestigio mundial. A justa atribuição do Prêmio Nobel e a sua solidariedade com povos e movimentos que lutam pela liberdade e pela independência contribuíram para emprestar às suas tomadas de posição ressonância universal.

Não foi, por isso mesmo, sem espanto que tomamos conhecimento de declarações de José Saramago, contendo acusações contra as organizações de insurreição colombianas que repetem inverdades e calúnias formuladas pela direita reacionária e o imperialismo.

Afirma o escritor que não há guerrilhas na Colômbia, apenas “bandos armados”. Porventura desconhece que dois ex-presidentes do país, Samper e Lopez, propõem negociações com o principal movimento guerrilheiro, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo, reconhecendo-o como interlocutor válido?

As Farc-EP vão comemorar 40 anos de existência. A antiga guerrilha de Marquetalia – 47 combatentes – transformou-se num exército popular de 18.000 homens que se bate em 60 frentes contra o mais poderoso exército da América Latina, numa luta desigual que só encontra precedente na travada no Vietnã. O seu líder, o comandante Manuel Marulanda, é hoje considerado pelas forças progressistas do continente como um herói da América Latina. O ex-presidente Pastraña dialogou com ele, numa zona desmilitarizada, de igual para igual.

É de se estranhar também que José Saramago na extensa entrevista em que nega aos guerrilheiros colombianos a dignidade de revolucionários comunistas se tenha esquecido de incluir qualquer crítica ao presidente Álvaro Uribe, um político de extrema direita, ligado pelo seu passado aos bandos de paramilitares e narcotraficantes, responsável por uma estratégia de terrorismo de estado.

A solidariedade com aqueles que na Colômbia lutam pela liberdade do seu povo implica para nós o dever de lamentar que um português com a dimensão e o prestígio de José Saramago tenha emitido numa entrevista de tão ampla repercussão, na capital de um país com um presidente neofascista, opiniões que não se coadunam com o seu perfil de humanista e a sua responsabilidade de intelectual progressista.

Jorge Figueiredo, José Paulo Gascão, Miguel Urbano Rodrigues e
Rui Namorado Rosa são editores do resistir.info.

Publicado originalmente no http://resistir.info/

Outra notícia sobre este assunto