Cunhal e o Anti-Imperialismo: a Propósito da Grécia

cunhal

A ideia de que, sob o capitalismo, a única arma de que o proletariado dispõe é a sua organização, é uma verdade nunca repetida vezes suficientes. É munido apenas da sua organização de classe que o proletariado comparece diante da organização de classe da burguesia, nas suas mais variadas formas: o Estado da burguesia, os exércitos da burguesia, as polícias da burguesia, os partidos da burguesia, os jornais e as TVs, as universidades e as organizações internacionais fundadas, alimentadas, e montadas com precisão milimétrica para auxiliar o esforço predatório e explorador da burguesia. Organizações que, importa realçar, têm sempre um conjunto assinalável de planos b, c, d, x, y, o que for necessário, para perpetuarem a sua dominação. A história dos últimos 40 anos, em Portugal, é aos mais diversos títulos elucidativa nessa matéria.

O plano b da burguesia portuguesa uma vez derrubado o fascismo e libertadas as colónias africanas estava de há muito delineada, e foi cedo apontado por ninguém menos que Álvaro Cunhal. Já em 1964, no Rumo à Vitória, Cunhal escrevia que «há antifascistas que defendem que o movimento democrático português jogue já hoje na carta do Mercado Comum, prometendo aos monopólios alemães, franceses, e italianos, todas as facilidades e vantagens após o derrubamento da ditadura fascista» (1). A precisão milimétrica com que este plano se cumpriu nos anos que se seguiram ao 25 de Abril, quando estes tais «antifascistas» se transformaram no PS e no PPD, é assombrosa. Como assombrosa é a a afirmação, que veio a fazer dois anos mais tarde, de que «a admitir-se a sobrevivência no essencial do aparelho de Estado fascista, as liberdades estariam desde o início ameaçadas, e não deixariam de ser violadas e suprimidas pelo mesmo aparelho de Estado, no dia em que as classes que efectivamente continuariam a dominar esse aparelho sentissem ameaçados os seus interesses» (2).

Estes dois ensinamentos de Cunhal têm uma aplicação evidente ao caso grego. São os dois elementos fundamentais que constituem o caso grego, sem os quais nada do que na Grécia se passa seria minimamente legível para quem observa o desenrolar dos acontecimentos. Por um lado, as «facilidades e vantagens» dadas pela burguesia grega aos monopólios alemães dentro do seu país, e a fusão operada entre os interesses da burguesia grega e os do imperialismo, que reservaram à primeira um estatuto de sócia menor e a absoluta – e definitiva – ausência de um papel histórico a cumprir. A Grécia vive hoje num estatuto em que «cada dólar, cada libra, cada marco [e hoje em dia, sobretudo, cada euro] investido no país é mais uma vergonhosa corrente amarrada à independência» nacional (3) e em que a burguesia grega e o imperialismo alemão, os tais «gémeos siameses unidos não pelas costas mas pela barriga» (4), na divertida e esclarecedora metáfora de Cunhal, agem concertadamente para explorar e oprimir os trabalhadores da Grécia. Sendo que o fazem – e aqui estamos no segundo e crucial ponto – porque dispõem de uma organização política, económica, diplomática, e quando for preciso policial e militar, para vibrar sobre os trabalhadores gregos as mais violentas agressões. Ainda no Rumoà Vitória, Cunhal não podia ser mais esclarecedor sobre este ponto: «o domínio imperialista estrangeiro (…) cria uma dificuldade suplementar para a libertação do povo português: é a força económica, diplomática, e militar, que está por detrás dos monopólios estrangeiros» (5).

Com essa força económica, diplomática e militar, o diálogo é de tal modo impossível que a sua proposta é já ridícula. Não se negoceia com o imperialismo. Não se conversa com o imperialismo. Não se leva o imperialismo pela mão, com bons modos e palavras doces, a moderar-se e a portar-se bem. A mera enunciação desta proposta é já um disparate que seria cómico, não fosse arrastar atrás de si o drama e o sofrimento de milhões de pessoas: «Lenine alertava contra quaisquer ilusões que pudessem existir acerca da possibilidade de realizar a revolução socialista se o proletariado e as classes oprimidas se limitasse a tomarconta do aparelho de Estado, cuidando poder utilizá-lo contra a burguesia. Em conformidade com tal conclusão, indicava ao proletariado russo e ao seu partido uma tarefa capital para a conquista do poder pelos trabalhadores: a destruição do Estado burguês e a construção de um novo Estado, dum Estado dos operários e camponeses que, sob a direcção da classe operária, quebrasse a resistência decerto encarniçada da burguesia, suprimisse a exploração do homem pelo homem, pusesse termo à divisão da sociedade em classes, assegurasse a transformação revolucionária da sociedade capitalista em sociedade socialista. Tal é a essência da ditadura do proletariado» (6). A que distância longínqua de compreender esta evidência, que é válida por maioria de razão para as instituições internacionais de Estados burgueses tanto como para os Estados nacionais individualmente consideradas, se encontra o Syriza e o seu Governo!

É de uma evidência que se mete pelos olhos dentro que a incompreensão destes dois fenómenos, a natureza de classe da União Europeia e a necessidade premente da libertação da Grécia do domínio imperialista, são a base fundamental da traição do Syriza. Proponente de um programa político pequeno-burguês, reformista, de UE sim mas menos bruta na agressão do povo, programa ridículo e materialmente inexequível, Tsipras e o Syriza (tirando certas fracções do Syriza que começam a rebelar-se) mostrou precisar, com urgência, de revisitar estes textos de Álvaro Cunhal. Muito teria a aprender com eles e ainda com um outro, onde é dito que «esta corrente ideológica do radicalismo pequeno-burguês manifesta-se, por um lado, na criação de grupos ou partidos pequeno-burgueses de «opção socialista» e de verbalismo esquerdista; por outro, em tendências revisionistas no seio do próprio movimento operário» (7). O sublinhado é meu, por esta frase captar como nenhuma outra a consequência nefasta da influência do Syriza no seio do proletariado grego: o semear de ilusões reformistas, a revisão dos princípios centrais da ideologia do proletariado, o desarmamento ideológico da classe, o seu encaminhar para a derrota. Cunhal seria um precioso auxílio para os trabalhadores gregos se libertarem da escória revisionista que o encaminha para becos sem saída. Que o seus ensinamentos sejam colhidos, na prática da luta, por esses trabalhadores.

João Vilela

(1) Cunhal, Álvaro – Rumo à Vitória. 2ª Edição, Lisboa: Edições Avante, 1979, p. 93.

(2) Cunhal, Álvaro – A Questão do Estado, Questão Central de Cada Revolução. Lisboa: Edições Avante, 1977, p. 26. Escrito em 1967, este texto não consta das Obras Escolhidas do autor relativas ao período de 1967-74.

(3) Rumo à Vitória, p. 93.

(4) Rumo à Vitória, p. 87.

(5) Rumo à Vitória, p. 86.

(6) A Questão do Estado…, p. 12.

(7) Cunhal, Álvaro – O Radicalismo Pequeno-Burguês de Fachada Socialista. In Obras Escolhidas, vol. IV, Lisboa: Edições Avante, 2013, p. 462.

Advertisements

5 thoughts on “Cunhal e o Anti-Imperialismo: a Propósito da Grécia

  1. Balta

    É importante dismistificar não só os da estranja, tipo os Tsipras e o Syriza Gregos, mas atenção ao falar da floresta, não vá a gente esquecer-se que é feita de pinheiros e alguns podem apodrecer.
    Leiam a páginas 16 da revista militante isto:
    “o profundo descontentamento social, que atinge não apenas os sectores mais fragilizados da sociedade portuguesa, mas também sectores da pequena e da média burguesia, coloca o trabalho político unitário como uma das prioridades da nossa intervenção”
    A pequena subtileza de esconder aqueles que mais sofrem os trabalhadores, e lateralizar para um grupo que como sempre se tem afirmado acompanha todas as pequenas brisas e as segue, até que outra mais intensa sopre em outra direcção. Questão bem levantada na sitação do ponto (7) cuja bibliografia se identifica.
    A propósito leia-se o destaque da primeira página do jornal avante de 8-1-2015, “Novo ano novas lutas”. É certo novas há-de haver, mas logo no dia 8 de Janeiro, este capitalismo é mesmo selvagem e selvático, nem uma semana deu de descanso. Já agora e as velhas lutas acabaram tal como ano a 31 de Dezembro. Como a cantiga as palavras são uma arma. Tenho dito.

    Reply
  2. Américo Nunes

    Caro João Vilela,A
    Tenho tido o gosto de ler com atenção os seus artigos. Surpreendido pela nota n. 2 deste texto que informa não estar publicado nas OE de AC o crucial O Estado questão central…, preparava-me para contestar tal falta, quando, pelo sim pelo não fui confirmar no volume que refere. ainda bem que o fiz. Aconselho-o a fazer o mesmo. Confesso que fiquei surpreendido. Julgo que fará uma correcção, mas isso não eliminará totalmente a reserva que a partir de agora terei na leitura dos seus textos.

    Américo Nunes

    Reply
  3. Américo Nunes

    Caro João Vilela,
    Veja Álvaro Cunhal, OE, IV (1967-1974) Editorial Avante! Abril de 2013, pp. 219/235 e Índice p. 865. Não me consta que haja outra edição
    Américo Nunes

    Reply

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s