100 perguntas

100 perguntas. Começo por umas 10:

O que era a “Revolução Democrático-Popular”?

Porque degenerou e se extinguiu o PC(R)?

O que era a “Revolução Democrática e Nacional”?

A guerra colonial teve vencedores?

O que é a “Democracia Avançada”?

O que foi o PREC?

O que é a posição conjunta entre PCP e PS e o que são os restantes acordos BE/PEV/PS?

Que distinções há entre o anti-estalinismo do Bloco de Esquerda e o de Francisco Martins Rodrigues e seus seguidores?

A chamada PLP é comunista ou é mais um grupo social-democrata pós-moderno?

São úteis os fundos de greve para fortalecer e aumentar a duração das greves?

——-
Materiais para pesquisa
https://www.marxists.org/portugues/rodrigues/1986/02/centrismo.htm

Advertisements

The effects Eurocommunism and Perestroika in european communist parties (the 1989-1991 counterrevolution), a brief description


——————————-
Communist Party of Great Britain
Founded in 1920 and dissolved in 1991. Heavily influenced by eurocommunism since the 1970s but long before it had embarked in a opportunist “british road to socialism” and fossilized the outdated tactic of affiliation to the Labour Party.

French Communist Party (PCF)
The French Communist Party (PCF) originated in 1920. One of the major eurocommunist parties. Has been dissolving itself in several social-democratic alliances for many decades. Has given up marxism-leninism, the symbol of hammer and the sickle and democratic centralism.

Italian Communist Party (PCI)
The PCI was founded as Communist Party of Italy on 21 January 1921. One of the major eurocommunist parties. Dissolved in 1991. Became the Democratic Party (of Italy) that has been one of the most reactionay of all italian bourgeois parties and certanly the favourite party of italian capitalists.

Communist Party of Spain (PCE)
The PCE was founded in 1921. It was and still is one of the major eurocommunist parties. Santiago Carrillo wrote essays on the thesis of eurocommunism. Has been dissolving itself in several social-democratic alliances for many decades.

Socialist Unity Party of Germany
Established in April 1946. Dissolved in 1989. It became Die Linke, an opportunist and social-democratic party.

German Communist Party
Founded in 1968. Took part in the European Left Party for some years.

Communist Party of the Netherlands
Founded in 1909 as the Social-Democratic Party. Named Communist Party Holland in 1918. CPH joined the Comintern in 1919. In 1989 the party merged with three other small leftwing parties, namely the Pacifist Socialist Party (PSP), the left-wing Christian Political Party of Radicals (PPR) and the Evangelical People’s Party (EVP) to form the GreenLeft. In 1991, the party officially disbanded.

Communist Party of Belgium (KPB/PCB)
Founded in 1921. Was dissolved in 1989. In 1989 KPB/PCB was divided into two separate parties, Kommunistische Partij in Flanders and Parti Communiste in Wallonia. KP (the Flanders heir of KPB/PCB) was dissolved in 2009. The Parti Communiste in Wallonia was until 2018 a member of the European Left Party. Eurocommunism had a obviously big impact in the KPB/PCB and in its heirs.

Communist Party of Greece
Founded in 1918. In 1968, a crisis escalated between KKE’s two main factions. The crisis was already festering during the 12th plenum of the party’s central committee held in Budapest between 5 and 15 February 1968 in which three members of the politbureau (M. Partsalidis, Z. Zografos and P. Dimitriu) were expelled for fractionist activity and was further triggered by the Soviet invasion of Czechoslovakia. This event led a number of Greek communists who were ideologically leaning with the so-called opportunist faction to break with KKE that was loyal to the Socialist Republic’s policy and to follow the nascent Eurocommunist line, which favored a more pluralistic approach to socialism. A relatively large group split from KKE, forming what became the Communist Party of Greece (Interior). The spin-off party forged bonds with Eurocommunist parties such as the Italian Communist Party as well as with Nicolae Ceauşescu’s Romanian Communist Party. Its supporters referred to KKE as the KKE (Exterior) (“ΚΚΕ εξωτερικού”), inferring that KKE’s policies were dictated by the Politburo of the Communist Party of the Soviet Union. KKE interior later was the basis of synaspismos and today’s Syriza.

Portuguese Communist Party (PCP)
Founded in 1921. Suffered several eurocommunist splits, one of which that was called Politics XXI became a leading force of the Left Bloc that together with PCP has been supporting a Socialist Party (social-democratic) bourgeois government. It has become an eurocommunist party. It copied the program of the French Communist Party of 1968 called “advanced democracy” that is a theoretical basis of eurocommunism. “Advanced democracy” is the program of PCP since 1988.

Communist Party of Turkey (historical TKP)
Founded in 1920. The TKP merged with the TİP (Workers Party of Turkey) and formed the United Communist Party of Turkey (TBKP) in 1988. Due to the ban on Communist political activities in Turkey, the TBKP initially had to be formed in a clandestine congress, but, from the outset, it stated its aim to operate legally. In 1990, its leaders officially established the TBKP as a formal political party, which would be banned the next year after a lengthy court case. Nevertheless, before it was banned, the TBKP had already held a legal congress in January 1991, and in this congress a resolution was overwhelmingly adopted calling on all its members to join a project to form a broader-based socialist party, the Socialist Unity Party, which would itself eventually evolve, after a series of subsequent mergers, into the Freedom and Solidarity Party (in 1994). It dissolved in the so called “left” in 1991.

Communist Party of Denmark
Was founded on 1919. In 1989, DKP joined with two other left-wing parties, the Left Socialists, and the Trotskyist Socialist Workers Party to form the broad-based Unity List – The Red-Green Alliance (Danish: Enhedslisten – De Rød-Grønne). Gert Petersen, then-Chairman of SF claimed at the time that cooperation between such diffuse ideological currents would fail. Not all members of DKP anticipated the launching of the Unity List either, and some chose to split with the party in 1990 to found a new Communist party, Communist Party in Denmark (KPiD). The Unity List has been a cause of political strife in relation to Danish Communists ever since. There are several issues, the two main ones being dual membership and Communist unity. In 1992, DKP reorganized heavily, severing the party’s links with the international Communist movement and officially changing its purpose from a political organ to a network-oriented organization. At the same time, the Unity List changed from a political cooperation to a regular independent membership-based political party.

Communist Party of Sweden
The party originated as a split from the Swedish Social Democratic Party in 1917, as the Swedish Social Democratic Left Party (Sveriges socialdemokratiska vänsterparti, SSV), and became the Communist Party of Sweden in 1921. In 1967, the party was renamed Left Party – the Communists; it adopted its current name – Left Party – in 1990. In 1964, C.-H. Hermansson was elected party chairman. Hermansson came from an academic background, unlike previous party leaders. Hermansson initiated a change in the political direction of the party towards Eurocommunism and so called Nordic “Popular socialism” (that is social-democracy). The name change towards “left” instead of communist is a distinctive part of its revisionist transformation.

Communist Party of Austria (KPÖ)
The KPÖ was officially established on the 3 November 1918. Became eurocommunist in the 1960s and still is.

Communist Party of Finland (SKP)
In 1918 the Reds lost the Finnish Civil War. The Social Democratic Party of Finland had supported the losing side, and several of its leaders were exiled in the Soviet Russia. Some of these exiles founded the Communist Party of Finland in Moscow. Eurocommunist since the 1960s (condemned the so called “1968 invasion of Czechoslovakia”). The collapse of the Soviet Union in the early 1990s led to ideological conflicts: bitter internal disputes plagued the party. Bad stock-market investments made during Aalto’s term of office resulted in financial bankruptcy in 1992. The SKP never recovered. A majority of the party members, with other member-organizations of SKDL (Finnish People’s Democratic League, sort of popular front), formed the Left Alliance in 1990. The SKP was dissolved in 1992.

Communist Party of Norway
It was formed in 1923. The NKP was broadly considered to be a loyal follower of the Communist Party of the Soviet Union, although it occasionally took independent positions opposing the Soviet line. This happened in 1968, when NKP condemned the Soviet-led invasion of Czechoslovakia. After Mikhail Gorbachev gained power in the Soviet Union and started his reform program, NKP, as most other European Communist parties did, started revising its views of past Soviet policies. The party started distancing itself from the practises of the Soviet Union, and focused on a “softer” communism. The term “democratic socialism” is frequently found in party literature from the early 1990s onward.

Communist Party of Ireland (CPI)
Founded in 1933. One notable split from the CPI was the Eurocommunist grouplet the Irish Marxist Society, which left the CPI around 1976. The IMS was founded by Joe Deasy (1922–2013) and other former CPI members. The IMS advocated Marxist feminism and was also outspoken in its rejection of the Two Nations Theory of Northern Ireland. Most of the IMS’s members later joined the Irish Labour Party.

Workers’ Party of Ireland
Founded in 1970 originally known as Official Sinn Féin, changed to Sinn Féin – The Workers’ Party in 1977 and then to the Workers’ Party in 1982. In early 1992, following a failed attempt to change the organisation’s constitution, six of the party’s seven TDs (members of the irish parliament), its MEP, numerous councillors and a significant minority of its membership broke off to form Democratic Left (a social-democratic party), a party which later merged with the Labour Party in 1999.

Communist Party of Luxembourg (KPL)
Founded in 1921. In 1994 suffered a split that formed the a party called the New Left. The New Left formed the alliance The Left including KPL and later KPL exited this alliance. After disputes between leading KPL members and a majority within the Left shortly before the 2004 elections the party again ran separate lists. A number of the Left members were subsequently expelled from the Communist Party.

Communist Party of Iceland
-Was founded in 1930 as a member of the Comintern. Merged with a social-democratic group in 1938 changing its name to Popular Unity Party – Socialist Party, the new party did stayed outside of the Comintern but continued to claim to be communist party. In 1956 the Socialist Party formed the People’s Alliance as an electoral alliance with yet another splinter group from the Social Democratic Party. The People’s Alliance became a political party in 1968 (the People’s Alliance was a completely social-democratic party).

What are colonies?

People have a very wrong idea about colonies. Lenin talked about a world colonial system, at a time when most of the world territory and population were in colonies. Lenin used words that would be called offensive today as the civilized world (regular countries) and uncivilized world (colonies). Lenin used those words because the difference between colonies and dominant nations and regular countries (countries without colonies) was huge. Colonies were a reality that already existed in feudal states and that already were falling apart in the first bourgeois revolutions (see the french revolution and see Latin America in the beginning of the XIX century), when capitalism was not at all dominant in the world. Let me try to define colonies here. Colonies are countries with a special status, a status of almost frozen development or really slow development of the means of production. For example Portugal was once the dominant country of Brazil, at that time Portugal was a feudal society with a feudal economy but Brazil as a colony was not feudal one but a economy based on slavery. For that reason Brazil actually made the transition from a slave economy to a capitalist economy without feudalism after it got the independence from Portugal. Colonies delay greatly the normal development of economies and societies and by keeping outdated and backward economic structures for a long time these countries are forced to make great leaps into new economic structures to adjust to the modern world. There is a law of unequal development that rules capitalism worldwide that implies that in capitalism it is imposible to have rich countries without poor countries and imposible to have developed countries without backward countries (this means that a general and converging world development is imposible). Colonies are a very special feature of this unequal development. Today i still regard as colonies very rare cases like Palestine and Puerto Rico, but we cannot ignore that colonies were eliminated (that is independence struggle achieved its goal) in all Africa and in the whole region of Asia from the Middle East to east Asia (remember that Latin America was almost colony free since the beginning of the XX century). This new development of erasing the world colonial system was objectively against imperialism and in favour of socialist countries, but it was not seen to completion in the lifetime of Lenin and Stalin. The question of the existence of a world colonial system is not just a matter of principles (the right to self-determination) but also a matter of economics. Capitalism in the imperialist stage was able to survive and adapt to a world without colonies, in fact some rulling powers such as the USA actually took advantage of the end the world colonial system to have a stronger dominat position in competition with rival powers that were heavily dependent on colonies (such as the UK and France). What we see today for example in military occupations (Iraq, Syria, francophone Africa, etc…) is not colonialism but all the other features of imperialism taking place and bolstering the relations of dominance between countries in a much more sophisticated way.

A dimensão internacional do PCP e o PCP como reflexo do Movimento Comunista Internacional – continuação

Algumas notas

Não há leninismo sem defesa da URSS e não há defesa da URSS sem defesa do leninismo.

Não há PCP sem leninismo, não há PCP sem Partido Bolchevique, não há PCP sem Revolução Socialista de Outubro e não há PCP sem URSS.

A CIS (Confederação Inter Sindical) foi crucial para o PCP assumir logo nos primeiros anos do fascismo o papel mais destacado de dirigente do movimento operário. Para isso o PCP muito deve há Internacional Sindical Vermelha do Comintern, à linha classe contra classe e à heróica insurreição revolucionária do Soviete da Marinha inserida na tentativa de tomar o poder de Estado pelo proletariado português a 18 de Janeiro de 1934.

O VII Congresso do Comintern de 1935 e a linha das Frentes Populares é crucial para o PCP e marca o PCP daí em diante por muito que a sua aplicação clássica se revelasse impossível e impraticável. O PCP acabou por reter o essencial das frentes populares de uma forma adaptada a um contexto que foi evoluindo (antes e depois do 25 de Abril de 1974), sem nunca aplicar a sua forma clássica.

A informação sobre a participação do PCP na guerra civil de Espanha e da utilização de Portugal como plataforma de apoio pelas forças comunistas espanholas em cooperação com o PCP é mesmo muito escassa. Talvez isso se deva à tensão que se gerou entre Santiago Carrillo e Álvaro Cunhal a partir de 1960 (no contexto do combate ao oportunismo de Fogaça). É certo que o PCP participou na guerra civil de Espanha e é certo que havia cooperação clandestina transfronteiriça.

Durante a reorganização do PCP de 1940-1941 o Comintern interviu correctamente expulsando o PCP das suas fileiras. Este facto foi uma forma de pressão necessária para ajudar o PCP a depurar-se de agentes do Estado fascista infiltrados no seu Comité Central. As depurações de traidores e infiltrados foram sempre cruciais no rumo do PCP ao longo da historia e se pecam por alguma coisa é pela sua aplicação demasiado escassa e demasiado apaziguadora.

De 1941 a 1949 o PCP reorganizado não tinha secretário geral mas sim um secretariado de 3 dirigentes em que Álvaro Cunhal e José Gregório eram os mais proeminentes. Este secretariado mantém-se depois de 1949 mas em condições diferentes uma vez que Álvaro Cunhal é preso pela pide em 1949 e José Gregório vai para a Checoslováquia gravemente doente em 1956 onde fica até à sua morte em 1961. Estes foram os anos da agressão nazi à URSS, a derrota dos nazis e os efeitos do pós-guerra com o surgimento das democracias populares. As democracias populares teriam uma influência particularmente importante em Álvaro Cunhal. José Gregório é nesta altura um dirigente crucial, desde 1940 em que Júlio Fogaça e outros defendem teses oportunistas de um “programa de transição” até ao embate final entre Álvaro Cunhal e Júlio Fogaça após a fuga de Peniche. A ideia marcante desta época é criada pelas circunstâncias da época em que as democracias populares criam uma ideia mal-interpretada de várias vias para o socialismo – apesar dessa ideia ser contrariada pelo conflicto entre Stalin e Tito, pela crítica marxista-leninista ao revisionismo do “socialismo jugoslavo”.

A morte de Stalin em 1953. O XX congresso do PCUS em 1956. O ignorado e mal-interpretado aviso do golpe revisionista na Hungria que devia ter servido de aviso para o que aí vinha e para os defeitos das democracias populares. O domínio do pacifismo de Júlio Fogaça no PCP entre 1956 e 1959. José Gregório viaja gravemente doente para a Checoslováquia em 1956. A fuga de Peniche em 1960. Álvaro Cunhal eleito secretário geral do PCP em 1961. A insuficiente crítica ao desvio de direita de Fogaça e de seus apoiantes, a crítica insuficiente às teses revisionistas de Khruschev. Entre os anos 50 e 60 há toda uma época em que a influência da URSS e do MCI no PCP é absolutamente crucial. Aqui se forma o PCP à imagem das teses de Álvaro Cunhal, o PCP da “Revoluçãp Portuguesa”, um PCP feito para sobreviver mais do que outros partidos comunistas da Europa mas no fundo cometendo os mesmos erros desde a sua base teórica.

Não há qualquer diferença entre o racismo genocida do colonialismo num regime fascista e numa democracia burguesa. Isso pode ser visto se compararmos por exemplo a guerra brutal de França contra a Argélia e a guerra brutal de Portugal contra Angola. A consequência desta comparação é que o colonialismo português e a guerra colonial nos anos 1960s sendo determinante para o golpe militar do 25 de Abril de 1974 não foi determinante para – o ainnda mais importante – carácter da revolução defendida pelo PCP (a RDN, revolução democrática e nacional) e aplicada pelo PCP o mais possível durante o prec. O que foi determinante para definir o carácter da revolução defendida por Álvaro Cunhal foi o facto de Portugal não estar numa democracia burguesa mas sim num regime fascista. A ideia da RDN resultava da alegada necessidade de uma revolução democrática ou anti-fascista antes de uma revolução socialista e também de uma questão de conveniência pelo facto de ser mais fácil derrubar um regime democrático da burguesia do que um regime fascista da burguesia.

A criação do Partido Comunista Angolano, que depois se fundirá com outras organizações dando origem ao MPLA, conta com um contributo muito importante do PCP. A URSS e os países socialistas de leste são também uma base de apoio muito importante para a formação de quadros dos movimentos de libertação. A criação do PCA e o apoio do PCP aos movimentos de libertação nacional nas colónias influiu decisivamente na liderança comunista dos processos de independência e dessa forma abriu caminho para processos muito positivos de tentativa de construção do socialismo e de internacionalismo proletário entre os explorados de diversas nações oprimidas, contando também (após as independências) com o contributo mais acentuado de Cuba Socialista e em menor grau da URSS já num rumo revisionista.

Por sua vez os movimentos de libertação influenciam o PCP com toda a experiência da tentativa de coordenar a oposição liberal burguesa e reformista com a acção do PCP a partir da Argélia, nomeadamente envolvendo a figura contraditória do general Humberto Delgado que viria a ser neutralizado ao ser assassinado pela pide. A experiência da Argélia influi no PCP pela componente burguesa dos movimentos de libertação em África. Aos olhos de alguns, como o general Spinola, a experiência do PCP estabelecer um diálogo mais directo com a oposição liberal burguesa na Argélia pode ter criado expectativas de um PCP disposto a ceder em muitos dos seus objectivos (objectivos da RDN) em nome da unidade na acção com a oposição liberal burguesa. As expectativas eram infudadas por parte de Spinola mas a experiência da Argélia pode ter cimentado a ideia de governo provisório que depois é realmente aplicada durante o prec.

Em 1961 há como um fim de um ciclo em que se interceptam historia do PCP e do MCI tanto na teoria como na prática. Em 1961 morreu José Gregório na Checoslováquia e Álvaro Cunhal acabado de ser eleito secretário geral do PCP (o primeiro desde a morte de Bento Gonçalves em 1942) é enviado para URSS pela sua própria segurança e para dar estabilidade há liderança do PCP. Em 1961 a revolução cubana está ao rubro com o seu carácter socialista assumido, é a época das guerrilhas em todo o hemisfério sul, a época da tricontinental, do conflicto sino-soviético, da via guerrilheira quer cubana quer do maoísmo, a época do início da heróica guerra também guerrilheira do povo trabalhador vietnamita contra os imperialistas dos Estados Unidos e tudo isto se intercepta com o início da guerra colonial nas colónias portuguesas, principalmente em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau. A crítica teórica à linha do Khruschev quer pelo próprio Álvaro Cunhal de uma maneira quer pelos maoístas de outra maneira faz-se pela teoria mas o início da guerra colonial e a necessidade das forças anti-colonialistas como o PCP, os maoístas e outros de fazer tudo para Portugal perder a guerra colonial coloca uma pressão prática em favor da luta armada, esta pressão dá lugar em diferentes formas e ritmos à ARA (PCP), à FAP (maoístas) e à LUAR. O surgimento destes grupos conjuntamente com as conspirações para orquestrar golpes militares pelo general Humberto Delgado e outros militares ou ex-militares dissidentes do fascismo vão moldar uma torrente de descontentamento e subversão da ordem fascista dentro do exército português que vai dar lugar à criação do MFA. O que muitos não perceberam muito bem nesses anos é que a principal luta armada foi feita pelos movimentos africanos e não pelos portugueses e que a crítica teórica à via pacífica da parte do PCP, da parte dos maoístas e depois das forças pro-albanesas era muito limitada. Foi neste ambiente que o fracasso da via pacífica para o socialismo no Chile de Allende, derrubado pelo golpe de Pinochet em 1973, foi completamente mal interpretado ao se insistir cegamente na revisionista via parlamentar e pacífica para o socialismo.

Faz parte da esquizofrenia desta época o considerar que Angola, Moçambique, Guiné e outras ex-colónias extremamente pobres e sub-desenvolvidas estavam preparadas para o socialismo com o apoio da União Soviética mas Portugal não… Portugal não supostamente pelo seu atraso económico. Reparem como isto é absurdo, isto é como dizer que a metrópole Portugal estava menos desenvolvida que as suas colónias africanas. Eu arrisco-me a dizer que o critério para definir o caminho para o socialismo não foi nem as condições objectivas nem as subjectivas (ambas foram tratadas de uma forma completamente distorcida e autista, negou-se a realidade). O principal critério para definir o caminho para o socialismo em Portugal com as diversas variantes de “revolução democrática” que diversas forças defendiam coladas à chamada “esquerda militar” era a comodidade. Escolheu-se as modalidades de “revolução democrática” porque era supostamente mais fácil, mas é aqui que reside a suprema ilusão desta época e o efectivo desligamento da análise científica marxista-leninista assim como a efectiva cegueira perante a imensa experiência histórica e internacional do movimento comunista internacional. Há sempre caminhos fáceis para a derrota, para a submissão e para a desistência do objectivo revolucionário do socialismo, isto é quando o se confunde o caminho com o objectivo, a árvore com a floresta. Quando só perguntamos como e desligamos o como do para quê ficamos com ou sem consciência disso nas teses do Bernstein que o movimento é tudo e o objectivo final é nada. Eu avalio o prec em função de nos ter aproximado do socialismo ou não porque penso que não há outra maneira de avaliar esse período de forma marxista-leninista, porque para o marxismo-leninismo é claro que o movimento não é tudo e o objectivo final não é nada.

José Afonso – “Ó Vila de Olhão” do disco “Cantares de José Afonso” (1ª edição, EP 1964)

Ó vila de Olhão
Da Restauração
Madrinha do povo
Madrasta é que não
Com papas e bolos
Engana o burlão
Os que de lá são
E os que pra lá vão
E os que pra lá vão
E os que pra lá vão *

Ó flor da trapeira
Ó rosa em botão
Tuas cantaneiras
Bem bonitas são

Larga ó pescador
O que tens na mão
Que o peixe que levas
É do teu patrão
É do teu patrão
É do teu patrão

Limpa o teu suor
No camisolão
Que o peixe que levas
É do cais de Olhão

Vem o mandarim
Vem o capitão
Paga o pagador
Não paga o ladrão
Não paga o ladrão
Não paga o ladrão

Ó vila de Olhão
Da Restauração
Madrinha do povo
Madrasta é que não

Quem te pôs assim
Mar feito num cão
Foi o tubarão
Foi o tubarão
Foi o tubarão

Mulher empregada
Diz o povo vão
Que aquela empreitada
Não dá nada não

Ó vila de Olhão
Da Restauração
Madrinha da povo
Madrasta é que não
Madrasta é que não
Madrasta é que não

Ó pata descalça
Deixa-me da mão
Que os da tua raça
Já não pedem pão

Passa mais um dia
Todos lembrarão
Passa mais de um ano
Já não pedem pão

Ó vila de Olhão
Da Restauração
Madrinha do povo
Madrasta é que não

Quando o avião aqui chegou
Quando o mês de maio começou
Eu olhei para ti
Então eu entendi
Foi um sonho mau que já passou
Foi um mau bocado que acabou

Tinha esta viola numa mão
Uma flor vermelha n´outra mão
Tinha um grande amor
Marcado pela dor
E quando a fronteira me abraçou
Foi esta bagagem que encontrou

Eu vim de longe
De muito longe
O que eu andei p´ra´qui chegar
Eu vou p´ra longe
P´ra muito longe
Onde nos vamos encontrar
Com o que temos p´ra nos dar

E então olhei à minha volta
Vi tanta esperança andar à solta
Que não exitei
E os hinos cantei
Foram frutos do meu coração
Feitos de alegria e de paixão

Quando a nossa festa s´estragou
E o mês de novembro se vingou
Eu olhei p´ra ti
E então entendi
Foi um sonho lindo que acabou
Houve aqui alguém que se enganou

Tinha esta viola numa mão
Coisas começadas noutra mão
Tinha um grande amor
Marcado pela dor
E quando a espingarda se virou
Foi p´ra esta força que apontou

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

A senhora de não sei quem
Que é de todos e de mais alguém
Passa a tarde descansada
Mastigando a torrada
Com muita pena do pobre
Coitada

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

Neste mundo de instituição
Cataloga-se até o coração
Paga botas e merenda
Rouba muito mas dá prenda
E ao peito terá
Uma comenda

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

O pobre no seu penar
Habitua-se a rastejar
E no campo ou na cidade
Faz da sua infelicidade
Alvo para os desportistas
Da caridade

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

E nós que queremos ser irmãos
Mas nunca sujamos as mãos
É uma vida decente
Não passeio ou aguardente
O que é justo
E há-que dar a toda a gente

Não vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta é falsa intençãozinha
Não vamos brincar à caridadezinha
Não vamos brincar à caridadezinha
Não vamos brincar à caridadezinha

É a valsa da burguesia
Tocada bem a compasso
Pela social-democracia
Para nos travar o passo

Umas vistas muito plurais
Sobre a questão sindical
Nós somos todos iguais
Mas quem manda é o capital

Um ar santinho e beato
De vitima inocente
É o bem triste retrato
Dos que querem dar cabo da gente

Socialismo, sim mas pouco
Para não levantar suspeitas
Barafustar como um louco
E alinhar sempre com as direitas

Hino de caxias



Longos corredores nas trevas percorremos
sob o olhar feroz dos carcereiros
mas nem a luz dos olhos que perdemos
nos faz perder a fé nos companheiros.

Vá camarada mais um passo
que já uma estrela se levanta
cada fio de vontade são dois braços
e cada braço uma alavanca.

Oiço ruirem-se os muros
Quebrarem-se as grades de ferro da nossa prisão
Treme carrasco que a morte te espera
Na Aurora de fogo da Libertação(bis)

A dimensão internacional do PCP e o PCP como reflexo do Movimento Comunista Internacional – artigo


– A Internacional Comunista
– A Internacional Sindical Vermelha
– A linha classe contra classe (o V Congresso da IC) e o 18 de Janeiro de 1934 na Marinha Grande
– O VII Congresso da IC e as Frentes Populares
– A guerra civil de Espanha
– A euforia do pós-guerra
– O XX Congresso do PCUS e as teses revisionistas de Khrushchev
– Semelhanças entre a “dissolução do fascismo” ou “transição pacífica” de Fogaça com a “reconciliação nacional” de Carrillo
– A guerra colonial, Cuba, o PCA, a ARA e o internacionalismo proletário
– A Unidade Popular do Chile e o 25 de Novembro de 1975 em Portugal
– A reforma agrária como luta heróica mas isolada
– A Perestroika e o XIII congresso estraordinário do PCP
– A Democracia Avançada e os zig zags de Marchais

“Em quarto lugar, nós, os comunistas portugueses, não tínhamos realizado em todos os seus elementos, e muito menos explicado antes da derrocada da URSS e noutros países do leste da Europa análises e críticas que actualmente fazemos. Tivemos esperança (que os acontecimentos mostraram ser demasiado optimista) numa correcção dos apontados aspectos negativos da evolução e da política nesses países.

É porém indispensável sublinhar que na nossa luta, nos nossos conceitos, no nosso Programa, nos nossos princípios teóricos, na nossa prática revolucionária, nos nossos objectivos do socialismo para Portugal, há muito tínhamos adoptado e seguido um caminho próprio basicamente diferente de um tal “modelo” e a nosso ver traduzindo o ideal comunista tal como em aspectos essenciais nós, os comunistas portugueses, sempre o entendemos e lutámos e lutamos para que venha a ser realizado em Portugal.”
Texto da conferência proferida por Álvaro Cunhal a 21 de Maio de 1993, em Ponte da Barca, inserido no ciclo de conferências e debates promovido pela Câmara Municipal local intitulado «Conversas com endereço». Tema proposto a Álvaro Cunhal: «O comunismo hoje e amanhã».
https://www.marxists.org/portugues/cunhal/1993/05/21.htm

Não há nenhum “caminho próprio basicamente diferente” do “modelo” com que o PCP catalogou a URSS em 1990 e nos anos seguintes, até porque esse mesmo “modelo” tal como caracterizado pelo PCP resultaria e resultou em exactamente o contrário do que o PCP diz, isto é na destruição da URSS socialista e não na sua manutenção. A história do PCP está e tem de estar intimamente ligada à URSS na medida em que o PCP seja um partido comunista e deixa de estar ligada à URSS na medida em que o PCP deixa de ser um partido comunista. Tanto a forma como o PCP defendeu a Perestroika como a forma como o PCP apelou a corrigir a Perestroika são apenas duas faces da mesma moeda do socialismo de mercado e do fetiche pela democracia burguesa confundida com democracia proletária. São duas faces do mesmo processo que destruiu a URSS e restaurou o capitalismo e nesse processo o PCP limitou-se absurdamente a apelar ao aumento da dose de “mercado” e de “democracia” abstracta esperando com isso manter o socialismo – uma caricatura de socialismo era o que seria na verdade como vemos hoje na China. O “modelo” de que falava o PCP é um espantalho irreal, uma farsa promovida entre ataques ao “estalinismo” nas teses do famigerado XIII congresso (estraordinário) do PCP em 1990.

Como diz o Blog que fazer:
“Não se tratou de excesso de planificação, de excesso de intervenção estatal mas do seu contrário, do enfraquecimento do papel do plano, da dificuldade em planificar e cumprir os objetivos e precisamente do afastamento da propriedade estatal a favor do capital subterrâneo que se ia formando. O papel do mercado, sim, infelizmente foi tido em conta, levando à substituição das relações de produção socialistas por relações de produção capitalistas que, paulatinamente iam atravessando a sociedade, levando à formação de verdadeiras classes no interior do sistema.”
O Que Não Foi Dito Nas Comemorações Dos 100 Anos Da Revolução De Outubro (Parte II) – Blog Que Fazer
https://www.quefazer.info/single-post/2018/05/31/O-Que-N%C3%A3o-Foi-Dito-Nas-Comemora%C3%A7%C3%B5es-Dos-100-Anos-Da-Revolu%C3%A7%C3%A3o-De-Outubro-Parte-II

A história do PCP é inseparável da URSS e de todo o Movimento Comunista Internacional tanto nos aspectos positivos que cabem aos comunistas aprofundar como nos aspectos negativos que cabem aos comunistas corrigir, prevenir ou combater. Os comunistas de um verdadeiro partido comunista não podem passar ao lado ou por “outro” caminho que a história de luta do movimento comunista internacional, porque toda essa história só pode ser enfrentada e digerida correctamente se a enfrentamos de frente. Esta atitude do “outro” caminho penso que está relacionada com uma atitude incorrecta perante a história que é atirar ao lixo o que é mau e glorificar o que é bom. A postura correcta e revolucionária dos comunistas não é essa mas sim tirar valiosos ensinamentos de tudo que é negativo e de tudo que é positivo. O que se devia atirar ao lixo realmente não são ideias, memórias e experiências do passado mas sim os dogmas sobre a “unidade do partido” quando é preciso (e bem que foi preciso) combater implacavelmente o revisionismo nas fileiras dos partidos comunistas. Aí sim havia algo para atirar ao lixo pois como dizia brilhantemente o camarada Stalin os partidos comunistas fortalecem-se depurando-se do oportunismo.